Cair em tentação 


Recaída, é uma coisa danada. Eles revelam uma perda de controle e um abismo, que está no mais íntimo do nosso ser. Existem diversos tipos de vícios, alguns perigosos e destrutivo do que os outros obviamente. E é sempre uma luta sair de cada um deles, para cada vício superado, existem várias recaídas.
As recaídas preocupam, mas fazem parte do processo e eu não estou falando somente de drogas, mas tbm de amores abusivos , dietas, comidas exageradas, compras, amor de mais, gastos e medidas, urgências insanas…
Temos que ser atentos e fortes, mas sem perder a ternura com os outros e conosco, aprendemos muito em cada queda dessas e o coletivo tbm, certo manas?
Anúncios

O desejo é um leão

Queremos uma casa, familia, profissão, amigos, status. São as coisas que nos ensinaram a cobiçar.
Mas o desejo tem uma vontade peculiar, é duradouro e não se esgota no realização de metas, não tem data marcada com um X no calendário para surgir, e nem sempre tem um verbo que o complementa.
Nosso desejo é oculto, e percebemos muito bem que é ele e somente ele, que nos vigoriza.
Oras, o desejo é um leão faminto, brutal, indomável.
Não admite comodismo: nos faz lutar pelo nosso sustento emocional,farejar, caçar.
O desejo nos fura, tira nosso sono, confunde o pensamento lógico.
O desejo ruge e convenhamos : nosso corpo é sua jaula.

Saia do Armário

“Queria ser um mosquitinho pra saber oq fulano fala de mim nas minhas costas”
Quem nunca ouviu ou desejou isso? Mas eu sei oq eles diriam : absolutamente nada.
Afinal, pessoa invisível não interessa. E se perceber bem, há diversos entre nós sem nenhuma mágica : são aqueles que possuem uma aparência neutra, sem defender suas ideias/direitos, com um comportamento padronizado.
Temos aqui uma ilusão de ótica com essa neutralidade: sumimos aos olhos alheios. Para ressurgir, uns colocam uma melancia na cabeça ou se cobrem de ouro, mas não precisa tanto alarde. Basta reconhecer, assumir seus interesses, lutar por um projeto de vida, ir contra a maré se for o caso, ter um nome a zelar e se livrar de qualquer humilhação, não seja um parasita, mas torne-se alguem que faça a diferença.

Todos nós temos que sair do armário e se tornar visível, bater no peito e dizer em alto-e bom-som “eu sou”, não importa o quê.

Super poder

Vivemos numa época em que importante é ser ganhador, ter superpoderes e de modo algum assumir o erro.
O ego contempla a bela maquiagem e a humildade manda lembranças.
Julgar os outros é bem mais simples que julgar a si proprio.
Nossa mea-culpa é diferido até que a morte esteja proxima e não haja mais tempo suficiente para novos erros, somente para um único acerto: pedir perdão.

É a oportunidade de ser humilde, de demonstrar nossas limitações e desculpar as dos outros.
De convidar pessoas, e não o padre, para a extrema-unção.