O pontinho preto

Cheguei em casa chateada na forma que uma colega de trabalho me abordou, meu pai observou minhas expressões enquanto eu desabafava furiosamente o ocorrido.

Por fim ele pegou um papel em branco e desenhou um pontinho preto no meio e pediu para que descrevesse oq tinha visto.

-ué pai, um ponto preto! (eu respondi)

“E os pontos brancos ao redor em sua maioria no espaço, você não viu?”

Continuar lendo

Algo além de missão, visão, valores

Passei minha vida acadêmica sendo martelada com esses pilares: missão, visão, valores. Repita comigo. Missão, visão, valores…

Mas o mundo real me ensinou que há um ingrediente que está além disso: a paixão!

Continuar lendo

O crachá

Para o novo crachá que carrego no peito, ele representa a quebra de paradigma, o desafio, o risco, as expectativas e também o medo (já que ele que me impulsiona a coragem), mas que VALE A PENA.
A única garantia que se possui, é que histórias vão surgir, pessoas vão brotar para ouvir, abraçar, somar e sonhar junto. Aos dispostos a ‘puxar tapete’, a prejudicar e denegrir, eu lamento e ignoro, embora saiba que não sou imune a presença deles.

Antes de iniciar nesse novo desafio, passei uns dias em dezembro, isolada em minha casa, passei por um período de reflexão, necessária para essa fase de transição, estou calma, pois as lamentações do passado, vai servir de risos e os aniversários serão checkpoint de novos ciclos que estão por vir, seja os questionamentos e inquietações, para explorar um mundo novo que está a minha frente

Portanto, sou grata por isso, por estar no lugar que conquistei, lembrando sempre que o melhor está por vir.
– Projetos e Inovação

Pedi demissão… E agora?

Pois é meus amigos, lá se foram alguns anos desde que passei o badge pela primeira vez na empresa.

De lá pra cá foram A.V.E.N.T.U.R.A.S, taí uma palavra que eu tenho muita simpatia. Aventura, do latim “ad venture”, significa o que vem pela frente, o que está por vir, em outras palavras significa FUTURO, aquele que nós nos importamos tanto, nos preparamos todos os dias e nos empenhamos em fazer o melhor.

Continuar lendo

Ho’oponopono no trabalho

Em Havaiano, Hoo significa “causa”, e ponopono quer dizer “perfeição”, portanto Ho’oponopono significa “corrigir um erro” ou “tornar certo”.

De certo modo, o trabalho é um ambiente perfeito para praticar a sua espiritualidade.

Em determinados dias você tem muitas oportunidades de praticar a paciência, atos de generosidade e de perdão.

Você tem tempo para pensamentos amorosos, para sorrir e abraçar os outros, e para praticar a gratidão.

Pode evitar as atitudes defensivas e ser um melhor ouvinte.
Você pode tentar ser compassivo, particularmente com pessoas difíceis ou agressivas.

Pode praticar sua espiritualidade em praticamente tudo o que faz.
Ela pode estar presente na maneira como você cumprimenta as pessoas e lida com conflitos.

Siga em frente

Todas as pessoas tem a capacidade e o direito de ter sucesso, além do mais, cada pessoa tem um caminho que percorre a distância, entre o que ela é e o que deseja ser.

Se esse caminho estiver livre, é se você tiver o combustível do desejo, o sucesso é atingível.

Mas se o seu caminho estiver bloqueado, você terá de encontrar e remover essas barreiras, para completar sua jornada até a linha de chegada.

Tudo o que fazemos no trabalho, é uma competência

A forma como fala com as pessoas num café com seus colegas de trabalho é uma competência, da mesma forma a lembrança de aniversário daquele amigo… Ainda é uma competência, a maneira que lida com o atolamento de papel na impressora.
Manter sua mesa organizada, sua caixa de e-mails e o carro limpo, também entra nessa categoria.

Pode até parecer ações ínfimas, insignificantes e pequenas, mas são exemplos que tendem a somar a grandes carreiras.

Atitude é uma competência

Ela pode ser aprimorada, alterada e isso fatalmente começa tendo atitude.
Quem determina a atitude é você, não necessariamente seu trabalho, sua rotina, seu chefe. Você, unicamente você!
Afinal, se deseja um novo emprego, consequentemente tenha uma atitude melhor, se quer realizar um sonho, oras, tenha uma atitude-sonhadora.
Na boa, parece meio óbvio e ridículo escrever isso, mas eu espero que seja verdadeira, afinal, atitudes impactam em tudo e nada mais justo, que dar um ponta pé inicial com elas

.

Resgate a sua 2a feira

A sua habilidade de juntar suas competências ao valor com o qual uma empresa se importa, vai te beneficiar bem mais a ter um posicionamento de destaque no processo de contratação.
Colaboradores (no sentido literal mesmo) que somam, acabam se tornando pessoas valiosas. Logo, conduza seu trabalho com esse objetivo.
Eu tinha ideias estabelecidas que estava exercendo um favor a empresa unicamente pelo fato de estar lá e noção de direitos já pré determinados. Da mesma forma, acreditava numa boba crença de que “eles” deveriam cumprir “meus” desejos profissionais.
Afinal, a labuta não deveria ser um local enriquecedor e divertido full time?
Deveria, poderia… Mas quando não era dessa forma, eu me frustrava, me entediava, me desmotivava. Meu rendimento caia e minha performance idem, chegando a feedbacks negativos e o mais próximo possível de uma demissão, pois quando se tem uma atitude ruim, isso automaticamente insere em cada parte de seu desempenho.
Porém, eu reavaliei minhas atitudes e percebi que fazer com que eu mesmo apreciasse meu trabalho, não é uma tarefa da empresa e sim minha mesmo.
Ou seja, é sua função resgatar uma bela segunda feira de trabalho produtiva.
Ter uma carreira significativa, não é tarefa da empresa. É sua.

Desistir não é o jogo

Nos não somos campeões em nada, mas disputamos diariamente uma vaga de emprego, uma vaga no coração de alguém, uma vaga no ranking dos profissionais bem sucedidos, uma vaga no concurso publico, uma vaga na faculdade, até mesmo uma vaga para estacionar, e muitas vezes nos comportamos covardemente diante da derrota iminente.

Entregamos o jogo. Desistir é o nome do esporte.
Algumas pessoas acham humilhante correr atrás quando as chances de haver uma virada a seu favor são ínfimas.
Entre ‘perder com garra’ X ‘perder sem gastar suor a toa’ , preferem a segunda opção , indo pra casa mais cedo, a tempo de assistir ao final da novela.
A Vida dá uma canseira na gente né?.
Não temos inimigos, mas são muitos os nossos adversários : o tempo, a idade, a concorrência, as regras rígidas e um juiz que nem sempre vai com a nossa cara.
Tristemente não se pode ter tudo, não se pode vencer sempre, é o que nos dizem. Mas isso só deve servir de consolo depois que a partida encerra.

Enquanto estiver em andamento, pode-se até levar uma surra, mas fica proibido perder pra si mesmo.

Quase

Amigos me relatam com frequência nos últimos tempos: quase fui promovido, quase fui aprovado naquela vaga, quase passei de fase, quase… Quase… Quase…
E isso me faz refletir sobre a palavra ‘quase’

Ter quase conseguido, pode ser quase desanimador.

Não é totalmente desanimador, pq o quase nos ilude, e todos nós precisamos da ilusão da vitória para batalhar de novo, para tentar outra vez.

O quase é maquiavélico, mas ajuda a gente a não se resignar. O quase muda trajetórias de vida.

Todos dizem que a felicidade é custosa, mas a gente tbm pode ser feliz por um triz.

os dizem que a felicidade é custosa, mas a gente tbm pode ser feliz por um triz.